Notícias

Como controlar o enfezamento do milho

  • 22 de May

As doenças do milho denominadas enfezamentos são causadas por molicutes (espiroplasma e fitoplasma), que são microorganismos semelhantes às bactérias e têm causado muitos prejuízos às lavouras, especialmente nas regiões mais quentes do Brasil, onde o milho é cultivado em mais de uma safra por ano.

O espiroplasma é responsável pela doença denominada enfezamento-pálido e o fitoplasma é responsável pela doença denominada enfezamento-vermelho. Os molicutes afetam o desenvolvimento, a nutrição e a fisiologia das plantas infectadas, e consequentemente, a produção dos grãos.

As plantas doentes produzem bem menos grãos que as plantas sadias, a redução da produção de grãos na planta doente pode chega a 70% em cultivar susceptíveis às doenças. Os últimos surtos epidêmicos da doença superaram esse índice de perda nas regiões oeste da Bahia, sudoeste de Goiás, Triângulo Mineiro e o noroeste de Minas Gerais.

Sintomas do enfezamento

Os sintomas se manifestam mais na faze de produção das plantas.

Enfezamento-pálido

  • Manchas cloróticas e independentes na base das folhas que, posteriormente, se juntam e formam bandas grandes;
  • Entrenós menos desenvolvidos;
  • Planta com altura reduzida (enfezadas);
  • Brotos nas axilas das folhas;
  • Colmo e folhas adquirem cor avermelhada.

 

Enfezamento-vermelho

  • Plantas severamente enfezadas (ou seja, menor altura);
  • Maior intensidade da cor vermelha;
  • Perfilhamento abundante nas axilas foliares e na base das plantas.

 

Como ocorre a transmissão

A transmissão da doença ocorre de uma planta de milho doente para uma planta de milho sadia por um único inseto-vetor, denominado de cigarrinha do milho. As cigarrinhas são pequenos insetos, que apresentam coloração amarela-palha, com duas manchas circulares negras bem marcadas no alto da cabeça, o que permite diferenciá-las de outras cigarrinhas comumente encontradas na cultura do milho.

Reveja a palestra online “A cigarrinha do milho prejudicou sua safra? Saiba os cuidados que deve tomar para se prevenir e como proceder com o manejo.”

As cigarrinhas-do-milho sugam a seiva das plantas de milho e se inserem no interior do cartucho das plantas, o ciclo biológico do inseto é influenciado pela temperatura, mas em média dura cerca de 25 dias.

Os espiroplasmas e fitoplasmas são adquiridos pelas cigarrinhas durante a alimentação do inseto nas plantas doentes. Esses microorganismos atravessam as paredes intestinais, caem na hemolinfa (“sangue dos insetos”), se espalham por diversos órgãos e passam a se multiplicar no interior dos insetos, principalmente nas glândulas salivares de onde são inoculados em plantas sadias quando as cigarrinhas iniciam o processo alimentar.

Quando a cigarrinha adquire os molicutes, ela se torna transmissora da doença enquanto viver.

 

Como controlar

O controle da doença é feito através de medidas preventivas que os agricultores devem adotar. Dentre elas:

  • Evitar semeadura do milho próximo a lavouras mais velhas e com alta incidência de enfezamentos;
  • Semear mais de uma cultivar de milho;
  • Tratar as sementes com inseticidas registrados no Ministério da Agricultura para controlar a cigarrinha;
  • Sincronizar a semeadura do milho com o período de semeadura adotado para a maioria das lavouras da região.
  • Interromper temporariamente o cultivo em regiões de alta infestação para eliminar tanto as doenças, quanto os insetos vetores.
  • Não deixar na área plantas de milho voluntárias (tiqueira), que podem servir de reservatórios do inseto e dos enfezamentos para os cultivos de milho subsequentes.
  • Utilizar cultivares de milho com resistência genética aos enfezamentos para minimizar os danos causados pela doença;
  • Evitar a semeadura tardia do milho.

 

Fonte: Successfull Farming

Ver todas Notícias

Recomendo

DICA K – ...

O tripes ou Caliothrips brasiliensis é um inseto silencioso que ataca as lavouras de soja, feijão, algodão e diversas outras culturas. Estima-se que no mundo existem cerca de 10 mil espécies de tripes, porém, no Brasil calcula-se que existam cerca de duas mil espécies.

Dica K: Manejo de ...

Hoje a Dica K vai dar prosseguimento ao assunto abordado na última sexta-feira (26), o manejo de plantas daninhas. Hoje vamos falar sobre o manejo de plantas daninhas em três das principais culturas: o milho, o feijão e o algodão. Mas antes, vamos rever o último Minuto K? Basta clicar no link aqui