Notícias

Fox Xpro – Uma grande ferramenta no combate aos fungos causadores da ramulária!

  • 24 de Sep

No Brasil serão colhidos quase 2 milhões de toneladas de algodão em pluma (1.964.700 toneladas, no total) a mais do que a última safra, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento.

 

 

É um recorde para o Brasil, o que representa um aumento de 28,5% em relação à última colheita.

E a Bayer, analisando este cenário promissor, lança o fungicida Fox Xpro, que é uma mistura tripla com formulação inovadora de alta performance no combate aos fungos causadores da ramulária.

Para facilitar a leitura deste artigo, ele foi dividido em alguns tópicos

  • Fox Xpro uma mistura tripla com formulação inovadora de alta performance no combate aos fungos causadores da ramulária.
  • A companhia alemã aposta no Brasil como motor para a expansão da divisão de “crop science”.
  • A Fox Xpro pode elevar a rentabilidade em uma lavoura em 151 dólares por hectare.

Fox Xpro uma mistura tripla com formulação inovadora de alta performance no combate aos fungos causadores da ramulária

 

A ramulária é considerada hoje a principal doença do algodoeiro no Brasil, segundo informações da Embrapa.

Nos últimos anos, o combate à doença tem se tornado mais difícil de controlar devido à resistência apresentada por certos fungos.

No cerrado, onde se encontra mais de 90% da produção nacional, esse patógeno encontra o ambiente favorável para se desenvolver.

E para combater esses fungos causadores dessa doença, A Bayer fez o investimento no fungicida Fox Xpro que realmente é muito eficaz no combate a esse patógeno.

Contando com três princípios ativos, o fungicida Fox Xpro, promete uma maior eficácia no controle da doença, que além de reduzir a qualidade da fibra do algodão, pode impactar negativamente a produtividade de uma lavoura em até 70%, se o combate ao fungo não for adequado.

E apesar de que o agroquímico estará disponível também para produtores de soja, somente na safra seguinte (2019/20) é que a Bayer acredita que pode ajudá-la a “consolidar a liderança no mercado de fungicida no Brasil”, disse a jornalistas nesta terça-feira Marcos Dallagnese, gerente de Fungicidas da companhia no país.

E de acordo com o Marcos Dallagnese – Esta inovação chega para reforçar o portfólio da Bayer e consolidar a liderança no mercado de fungicidas, além de disponibilizar aos produtores brasileiros uma nova ferramenta com três sítios de ação e três princípios ativos eficazes, preservando a sustentabilidade do manejo fitossanitário.

“É importante que as aplicações sejam bem planejadas, seguindo a recomendação agronômica e utilizando uma estratégia de manejo sustentável, do ponto de vista ambiental, social e econômico. Um ponto importante na formulação de Fox Xpro é que ele combina diferentes ingredientes ativos eficazes, o que ajuda no gerenciamento de resistência”, diz – Dallagnese.

 

A companhia alemã aposta no Brasil como motor para a expansão da divisão de “crop science”

 

A Bayer aposta no Brasil como motor para a expansão da divisão de “crop science” e já tem o registro da Fox Xpro para soja, e o para soja, é o principal produto de exportação do país, o maior exportador da oleaginosa.

 

 

Porém, a empresa começará as vendas pelo setor de algodão – segundo os executivos da Bayer, que conta com menos produtores comparativamente com a soja, para que o lançamento possa ser acompanhado de forma estruturada e responsável.

Os cotonicultores do Brasil projetam safras e exportações recordes, e por isso, o lançamento do produto acontece em um bom momento no país para o setor de algodão.

Considerado o mais intensivo em investimento entre os principais produtos agrícolas, o que pode levar o Brasil a superar a Índia no ranking dos exportadores, na temporada 2018/19.

“Pretendemos estar (com o produto) entre os principais produtores de algodão”, acrescentou Dallagnese, ao ser questionado sobre a abrangência das vendas da companhia ao setor, formado por cerca de mil cotonicultores.

A Fox Xpro pode elevar a rentabilidade em uma lavoura em 151 dólares por hectare.

 

Temos como uma das principais dificuldades do controle da ramulária, a adaptação que o fungo desenvolve e pode ganhar resistência, dependendo do manejo realizado pelo produtor.

 

 

Porém, O Fox Xpro com uma maior eficácia, pode permitir uma redução de aplicações de fungicidas, o que acaba elevando a rentabilidade em uma lavoura em 151 dólares por hectare.

Marcio Portocarreto, o diretor-executivo da Associação Brasileira dos produtores de Algodão (Abrapa), que participou de um evento realizado pela Bayer para promover o fungicida, afirmou que ainda que o produto venha a pagar mais caro por um defensivo mais eficaz, o investimento em geral vale a pena pelo retorno financeiro obtido.

Pois, ainda segundo Portocarrero, a ramulária responde por parte importante do gasto com defensivos agrícolas dos produtores.

E o custo de uma lavoura de algodão gira em torno de 8 mil reais por hectare, com os agroquímicos respondendo por 34 por cento do total.

E aí? Gostou do artigo? Deixe a sua opinião. Dúvidas, críticas ou elogios, deixem nos comentários. Até a próxima!

https://www.grupocultivar.com.br/noticias/fox-xpro-e-o-novo-aliado-dos-cotonicultores-brasileiros

https://www.noticiasagricolas.com.br/videos/soja/220784-entrevista-com-mauro-alberton-diretor-de-marketing-e-portifolio-da-bayer.html#.W6Q6-FRKjIU

https://www.grupocultivar.com.br/noticias/fox-xpro-e-o-novo-aliado-dos-cotonicultores-brasileiros

 

E aí? Gostou do artigo? Aproveite, curta e compartilhe. Dúvidas, críticas ou elogios deixe nos comentários. Até a próxima!

E não perca o nossa série Minuto K, toda sexta-feira, às 19h, em nosso canal do Youtube, Facebook e Instagram.

Ver todas Notícias

Recomendo

Produtores do Oeste ...

A partir de um projeto piloto, aplicado no município de São Desidério, produtores de algodão do Oeste Baiano vão realizar a recuperação e proteção de nascentes. A ação nasceu de uma parceria com a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e a Associação dos Agricultores e

Produção de ...

O algodão brasileiro enfrenta uma onda de prosperidade. De acordo com dados do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA), caso o estado do Mato Grosso consiga levar adiante o projeto de taxar as commodities do agronegócio, o algodão em pluma teria potencial de repassar R$ 156 milhões em