Notícias

Produtores do Oeste Baiano vão recuperar Nascentes dos Rios!

  • 13 de Feb

A partir de um projeto piloto, aplicado no município de São Desidério, produtores de algodão do Oeste Baiano vão realizar a recuperação e proteção de nascentes. A ação nasceu de uma parceria com a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e a Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba).

O projeto, que já resultou na recuperação de cinco nascentes, deve chegar aos municípios de Correntina, Cocos e Jaboranti. Para o presidente da Abapa, Júlio Cezár Busato, a ideia é a prova de que é possível produzir em grande escala, atendendo a legislação ambiental e preservando o meio ambiente.

 

Avanço

A ação de recuperação de nascentes representa uma nova realidade do agronegócio baiano. Um estudo da Embrapa indicou que, na região oeste baiana, os proprietários de terra conservam 64% da biodiversidade local. Isso significa que de um total de 11,6 milhões de hectares de terras nesta região, 3,6 milhões de hectares de vegetação nativa permanecem intocados. Outros 2,3 milhões de hectares são áreas de reserva legal.

Gostou da iniciativa? Compartilhe esse artigo. Deixe suas dúvidas e comentários abaixo.

 

FONTES:

https://www.grupocultivar.com.br/noticias/produtores-do-oeste-baiano-vao-recuperar-nascentes-de-rios

https://noticiadabahia.com.br/politica/produtores-rurais-vao-recuperar-nascentes-de-correntina-cocos-e-jaborandi-no-oeste-da-bahia/

http://abapa.com.br/mais-noticias/com-apoio-dos-agricultores-bahia-avanca-na-politica-ambiental/

Ver todas Notícias

Recomendo

Produtores do Oeste ...

A partir de um projeto piloto, aplicado no município de São Desidério, produtores de algodão do Oeste Baiano vão realizar a recuperação e proteção de nascentes. A ação nasceu de uma parceria com a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e a Associação dos Agricultores e

Produção de ...

O algodão brasileiro enfrenta uma onda de prosperidade. De acordo com dados do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA), caso o estado do Mato Grosso consiga levar adiante o projeto de taxar as commodities do agronegócio, o algodão em pluma teria potencial de repassar R$ 156 milhões em