Notícias

Milho pode perder áreas para feijão na safra de 2017/18

  • 23 de Oct

Os bons preços praticados pelo mercado do feijão e o mercado desfavorável para a cultura do milho podem causar redução das áreas de milho na próxima safra. De acordo com o superintendente de Gestão da Oferta da Conab, Wellington Teixeira, os aumentos devem ocorrer principalmente no Paraná.

Os principais pontos que estimulam a mudança são os altos preços de comercialização do feijão em 2016 e no primeiro semestre de 2017. Os preços da saca vigoram entre R$100 e R$150, considerados bem atrativos e a expectativa de produtividade está acima dos 3,5 mil quilos por hectare.

Na safra de 2016/17, o rendimento do grão era de 1,06 mil quilos por hectare, já na safra de 2015/16 esse número equivalia a 886 quilos por hectare.

No Paraná, muitos produtores estão optando por reduzir o plantio do feijão comum preto, na primeira safra, em detrimento ao feijão comum cores e à soja. Minas Gerais, segundo maior Estado produtor, considera, na pior das hipóteses, manutenção de área. Apesar dos preços em queda, o valor observado no mercado ainda remunera substancialmente o produtor.

E se você quer saber como identificar e acabar com as principais pragas da soja, basta clicar aqui e se tornar um Mestre do Manejo!

Veja também:

Empresa desenvolve etanol à base de soja

Tecnologias Favorecem o manejo da irrigação

Manejo inteligente de irrigação

A eficiência dos agentes biológicos no controle das pragas da soja

 

 

Fonte:
Revista Globo Rural

Ver todas Notícias

Recomendo

Combate a ervas daninhas

Lavoura de milho: ...

Grande parte das lavouras do país estão em estado emergente, fase ideal para aplicação de herbicidas e para combater a infestação de espécies daninhas. O objetivo é garantir a produtividade da cultura, evitando fatores que podem ser prejudiciais no futuro. Separamos algumas dicas de manejo para

Combate a ervas daninhas

A importância do ...

A produtividade da soja no Brasil tem se superado nos últimos anos, e os índices registram um aumento médio de mais de 1200 kg ha-1. E em algumas regiões os rendimentos médios chegaram a 3000 kg ha-1, e alguns grupos de agricultores registraram médias acima de 4400 kg ha-1 atingindo até 6500 kg